debate: desafio da gestão de condomínios nas cidades brasileiras

Síndicos debatem desafio da gestão de condomínios nas cidades brasileiras

15 mar Síndicos debatem desafio da gestão de condomínios nas cidades brasileiras

O futuro dos condomínios no Brasil e a organização do espaço urbano foram temas de discussão na audiência pública promovida pela Comissão Senado do Futuro nesta segunda-feira (18). O debate foi requerido pelo senador Hélio José (Pros-DF) na busca de soluções discutidas com representantes do setor para a apresentação de proposições legislativas que modernizem a legislação e regulamentem o exercício da atividade de síndico.

Entre os principais problemas apresentados pelos participantes da audiência estão a qualificação do gestor de condomínios e a participação ativa dos moradores nas decisões administrativas.

Desvalorização

O advogado e consultor Rodrigo Carpat apontou a desvalorização do imóvel como a principal consequência da má gestão. Ele informou que o envelhecimento natural, associado à falta de manutenção, gera depreciação anual de 5% no valor do imóvel. São os casos de alteração da fachada, instalação inadequada de ar condicionado, entre outros.

Já os problemas de convivência entre os moradores, explicou, tendem a gerar até 30% de desvalorização do patrimônio.

— Por isso que temos demandas judiciais cada vez maiores. O nosso escritório hoje deve atender mais de 9 mil ações só inerentes a problemas de convivência. O síndico, quando assume, às vezes não lembra as responsabilidades civis e criminais que ele tem ao gerir um condomínio — ressaltou.

Nesse sentido, o presidente da Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais (Abrassp), Paulo Roberto Melo, informou que encaminhará sugestão de projeto para a regulamentação da profissão de síndico, com a exigência de ficha limpa para o exercício da atividade. Ele ainda defendeu a ampliação da autovistoria predial para todos os condomínios do país e a melhoria da segurança das edificações.

Síndico profissional

Para Claudio Ribeiro Celino, presidente da Associação Brasileira de Síndicos (Abrasíndicos), existem prós e contras em relação ao síndico que também é morador, seja pela falta de tempo para a dedicação exclusiva ao condomínio ou pela falta de conhecimentos suficientes para uma boa gestão.

Além disso, ele apontou a importância do acesso a serviços profissionais e da qualidade de vida dos gestores e trabalhadores do condomínio, que são solicitados a qualquer hora do dia e da noite sem receber pagamento de horas extras, sem descanso no fim de semana e sem possibilidade de férias para o síndico, na falta de um substituto.

— Também tem o problema da violência e dos conflitos em assembleias, das agressões que acontecem de forma reiterada. O que fazer? Chamar a polícia? Quem é que protege o síndico de uma retaliação do vizinho? Para dar certo, o síndico teria que ter o poder de fazer o controle social daquela coletividade — observou.

A professora e pesquisadora Landejaine Maccori defende a necessidade de síndicos qualificados para atender à complexidade de administrar condomínios com os problemas que fazem parte da rotina diária.

Ela propõe a formação dessa categoria profissional, reconhecida pelo Ministério da Educação, com a orientação e fiscalização dos conselhos profissionais federais e regionais.

O Sindicondomínio, em parceria com o Centro Universitário do Distrito Federal já formou três turmas em curso superior de gestão de condomíniose vem negociando, juntamente com os parceiros, convênios com a Faculdade SENAC-DF e Instituto Federal de Brasília (IFB) para continuar a oferta em nível de graduação e pós-graduação, informou a pesquisadora.

Participação

Na opinião de Alexandre Corrêa, vice-presidente Jurídico e de Assuntos Legislativos do Sindicato da Habitação (Secovi-RJ), é preciso tirar o enfoque apenas do síndico para a participação efetiva dos condôminos nas reuniões e decisões para que os moradores tenham o poder de vigiar e cobrar o gestor.

— Às vezes não se trata de má gestão, mas depende das pessoas, da participação delas. A lei hoje já traz ferramentas suficientes para assegurar uma boa gestão e esperar que o síndico tenha conhecimentos de psicologia, sociologia, advocacia me parece um pouco utópico. O enfoque deveria ser de consciência e responsabilidade — enfatizou.

Esse também é o entendimento do presidente do Sindicato dos Condomínios do Distrito Federal (Sindcondomínio-DF), José Geraldo Dias Pimentel.

— Sem conhecer o perfil comportamental das pessoas que residem nos condomínios brasileiros, certamente teremos dificuldades para construir uma legislação que atenda o mínio de interesse possível— avaliou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Rate this post


Feito só para você!
Muito se fala em divulgação de imóveis para bater a…