Administração de condomínio requer profissionais qualificados, em Goiás

Administração de condomínio requer profissionais qualificados, em Goiás

17 ago Administração de condomínio requer profissionais qualificados, em Goiás

O quadro TV Trabalho desta segunda-feira (2) apresenta profissões essenciais para a manutenção de condomínios comerciais e residenciais em Goiás. O que antes era resolvido de forma informal, hoje é executado por pessoas bem preparadas, cada vez mais valorizadas e bem remuneradas.

O zelador Antônio José Batista é um desses profissionais. Ele trabalha 12 horas por dia, revezando entre um condomínio e outro. Juntos, os salários dos dois empregos somam cerca de R$ 3 mil. “O zelador tem que coordenar o serviço de área dos funcionários, tem que ajudar em correspondências, parte elétrica, bombas, socorre o morador quando precisa”, relata.

Para a moradora Paula Stefan o trabalho do zelador é essencial no condomínio. “É extremamente importante essa figura, esse cuidado, você chegar e saber que tem alguém cumprindo esse papel de zelar pelo condomínio, de zelar pelas crianças”, afirma.

Porém, esse não é o único profissional que garante a ordem nos condomínios. Após ser gerente de banco por 15 anos, foi fácil para Telma Alves Guimarães se encaixar na profissão de síndica. Ela administra dois condomínios e também tem renda de cerca de R$ 3 mil mensais.

O trabalho mistura atribuições de um prefeito com as de um empresário. O síndico precisa promover o bem comum e gerenciar as contas do prédio como as de uma empresa que não visa lucro, mas também não pode ter prejuízo. Além disso, ainda tem que lidar com as necessidades de cada morador. “Muitas pessoas não gostam de síndico e é complicada essa situação porque eu trabalho com clareza, com seriedade no que eu faço, para já não ter esse tipo de problema”, diz a síndica.

Quem também mudou de profissão para trabalhar na área de administração de condomínios é o ex-motorista Henrique Dantas de Medeiros. Hoje ele atua como “faz tudo”, profissão que rende a ele um salário que gira em torno de R$ 5 mil.

Para se dar bem na profissão ele investiu em qualificação. “Fui pro Senai e fiz curso de elétrica, hidráulica, fiz curso de design de interiores, de papel de parede, pintura”, conta.“Precisa fazer cursos porque você não pode encarar com total responsabilidade uma coisa que você não sabe”, recomenda.

Fonte: g1 Globo – Goiais



Feito só para você!
Lei tem como objetivo aprimorar a sustentabilidade ambiental e fazer…